10.12.09

Salto calibre 38





Que mulher gamer nunca ouviu o comentário: “isso é coisa de menino”? Pais, mães, irmãos, tios, namorados, estamos imersas até a ponta dupla do cabelo em preconceito contra a mulher no mercado de jogos digitais.


Gente, eu faço pós em Games, são 18 alunos e só três mulheres, quando entrei na sala achei pouquíssima a quantidade, e aí veio um professor e disse: “Nossa quanto mulher na turma esse ano!”. COMO ASSIM??? Mas, tá, tudo bem, eu ainda não tinha noção do quanto somos poucas. Aí veio o SBGames, e MEU DEUS!!! Isso foi um susto, em um evento com umas 2000 pessoas nem 10% eram mulheres. SÉRIO!!! E isso já contando com as que estavam participando da organização. Que isso?? Vamos lá, mulherada!!!


Tá, ta, eu mesma já disse no começo que tem preconceito, que pai dá para a filha um videogame ao invés de uma boneca? Só aqueles que estão a fim de jogar... Foi assim que ganhei meu Wii, não é pai?? (Ele me mata depois).


Mas deixem-me abrir um BIG parênteses aqui, porque se não fosse meus pais não teria entrado nesse mundo quando pequena, e se não fosse meu pai não teria jogado aos nove anos Mortal Kombat que a censura era +18, minha mãe não deixava, HEHEHE, fecha parênteses.


Agora a pergunta de um milhão de simleons: existem poucas mulheres porque há preconceito dos outros ou de nós mesmas? Ou dos dois? Se eu crescesse ouvindo: “jogos são para meninos” será que eu gostaria tanto? Se não eu tivesse a liberdade e o incentivo para descobrir sozinha do que eu gosto, será que gostaria de atirar em inimigos? Ou pegar cogumelos e matar goombas?


O que vivo escutando em brincadeiras é: “mulher é ruim de mira, por isso não gosta de FPS”, será mesmo? Eu tenho 5 primos e muitos amigos homens e até hoje só um me ganhou no 007 Contra Goldeneye.


Tá, agora falando sério: sim, homens são de Marte e mulheres são de Vênus, mas sim, muitas de nós também gostam de atirar, matar, explodir e dirigir imprudentemente atropelando rameiras pelas ruas, alivia o estresse e faz milagres para TPM, foi o melhor remédio já criado.


A verdade é: existiriam mais mulheres gamers, trazendo um novo ponto de vista para esse mundo esmagadoramente machista, se desde criança, família e mídia, não nos enfiassem goela abaixo bonecas, fogões, vassoura, casas e bebês. Não me entendam mal, eu adorava brincar de casinha quando era mais nova, mas nunca me diverti tanto quando pulando com o Mario ou atirando em gangsters no Poderoso Chefão.


Sim, eu uso salto alto, mas ele é calibre 38 e eu sou boa de mira.


BANG,BANG!!


Game Over!

5 comments:

Carlos Alberto said...

Isso aêêê, mulheres tb jogam ué, qd eu ia pra lan tinha uma a cada 100 meninos.
XD
Mas eu apoio q elas participem mais...
Bju Vê

Karla said...

Ai cunhada, eu sou da tchurma da boneca e do fogãozinho rosa... hauhauhauhauhauhauha :D

Mas eu tbm joguei muito Mario, Mortal Kombat, Street Fighter, Alex Kid (acho que esse não era do teu tempo :P ) e por aih vai... :P

Carlos Veber said...

Só cuidado... tem gente desenvolvendo a "sindrome do tiro em primeira pessoa"

BANG!!! UOOOOWWWWW...

Carlos Veber said...
This comment has been removed by the author.
Carlos Veber said...

You-Tube: BANG!